Fragmentos 2

Às vezes me pego falando com voz infantil, como se estivesse me comunicando com meu gato, cujo falecimento não vou superar tão fácil. Eu sei o motivo: é a outra gata, a Preta, que já morava conosco. Os dois conviviam em pé de guerra, mas se toleravam. Preta ficou mais próxima de mim depois da morte de Miguel, dorme todos os dias no pé da cama e só se levanta quando eu acordo, às 5:30 da manhã. Ela se aproxima de mim e se enrosca nos meus pés quando estou sentado na cadeira, assim como o Miguel fazia. Aí eu começo a falar, como se fosse o Miguel ali. Quando me dou conta, corto a voz. Paro. Daí penso: não é ele. Caio na real.

É como ter perdido um braço, uma perna, um membro do corpo. Ele não existe mais, mas parece que está ali. Parece que você vai vê-lo a qualquer momento, mas ele não vai por que não existe mais. Mas a falta é presente a todo momento. Os primeiros dias foram muito ruins: chegar em casa e não vê-lo, não ouvi-lo, não ter que colocar mais comida no pote e não chamá-lo para dormir dentro de casa todas as noites. As coisas vão perdendo sentido, os momentos perdem a cor e a razão de existir. Não sinto a vontade de antes de querer colocar para a frente a vida que levo todos os dias. As lágrimas ainda querem cair. Eu saí de casa para trabalhar e à noite ele tinha ido embora. Sem um adeus sequer.

Dói muito, mas é uma dor que estou levemente acostumado a sentir. A dor da falta vem sendo, talvez, um teste que o Universo vem me dando. É claro que posso sorrir, mas não é mais tão colorido como antes. É claro que posso seguir com a vida, mas jamais será com o brilho que usualmente deveríamos ter. São as coisas perdendo o sentido. Meu anjo foi embora, me deixou cheio de saudade e de dor, mas provavelmente – em uma visão bem espiritualista – me ensinou a amar e a cuidar, com o desprendimento necessário para viver pleno. Como eu disse, acredito que dificilmente irei superar. Viver com a dor e fingir que ela não está ali. O Miguel é um gato que eu gostaria muito de reencontrar no além-vida, junto com o Snoopy e o Suzuki.

This article was updated on 29 Junho 2020